Já ouviu alguém dizer que “a nossa saúde começa pela boca”? Essa máxima pode ser, de certo modo, considerada verdadeira. Embora todos os sistemas do nosso organismo sejam essenciais para a vida, a saúde bucal é um dos pontos fundamentais para manter uma vida saudável.

Pare para pensar: a boca faz parte da criação de laços entre mães e filhos, com a amamentação. Faz parte também do processo respiratório. Dentes e boca, naturalmente, são essenciais para a mastigação, e são determinantes para nossa relação com o mundo, através da fala e da expressão de emoções, sendo ainda elementos chave da aparência e da autoestima.

E aí, quer saber mais sobre a importância da saúde bucal? Pensando nisso, preparamos este artigo repleto de informações para que você aprenda a cuidar da sua boca de forma adequada, prevenindo o surgimento de diversos problemas capazes de diminuir a beleza do seu sorriso e sua qualidade de vida. Confira!

Qual é o impacto da saúde bucal na qualidade de vida?

Como começamos a perceber no início deste artigo, a saúde bucal é essencial para a saúde de todo o organismo, servindo como porta de entrada tanto para nutrientes benéficos mas também para micro-organismos prejudiciais à nossa saúde. Por conta disso, problemas orais podem se tornar sistêmicos, ou seja, atingir vários órgãos do corpo.

É isso mesmo! Vários problemas de saúde — alguns bem sérios — podem ocorrer por conta da má higiene bucal ou por ocorrências variadas na região da boca, especialmente a periodontite. Alguns deles são:

  • doenças cardiovasculares (como aterosclerose e infarto agudo do miocárdio);
  • pneumonia bacteriana;
  • partos prematuros e baixo peso do recém-nascido.

Isso ocorre porque a associação entre formação da placa bacteriana e inflamação da região dentária abre “passagens” que permitem que a infecção e as bactérias caiam na corrente sanguínea do paciente, viajando pelo organismo e atacando órgãos bem distantes da boca.

Além disso, sua relevância para a autoestima é incontestável. Um belo sorriso pode abrir portas e oportunidades (especialmente na vida profissional, em cargos que lidam diretamente com o público), além de tornar as pessoas mais confiantes e confortáveis consigo mesmas, favorecendo também a vida pessoal e as relações.

Como os hábitos do dia a dia podem ajudar?

Cuidados periódicos com os dentes e a região bucal são essenciais para garantir a saúde do sorriso e de todo o organismo. Afinal, já vimos que não cuidar dessa área pode acarretar em alguns problemas bem sérios, não é mesmo?

Confira a seguir alguns métodos simples, porém eficazes, para manter a boca sempre saudável:

Capriche na escovação

A escovação mecânica (nome dado ao movimento feito com a escova pelas nossas mãos) é, sem dúvida, o meio mais eficaz de manter a saúde bucal no cotidiano — sim, bucal, e não apenas dental como a maioria das pessoas acha.

Para muitos de nós, a escova de dentes é uma ferramenta pensada apenas para a escovação da dentição. No entanto, ela deve ser utilizada para tratar toda a cavidade oral, incluindo gengivas e língua. Para uma escovação completa, siga os seguintes passos:

  1. posicione as cerdas em um ângulo de 45º próximo à linha da gengiva;
  2. faça movimentos suaves para um lado e para o outro e para cima e para baixo, certificando-se de que toda a superfície dentária e gengival foram escovadas;
  3. repita os movimentos na parte de trás dos dentes, que não deve ser negligenciada;
  4. escove a superfície da língua.

A escovação deve ser feita pelo menos três vezes ao dia. No entanto, é recomendado fazê-la após as principais refeições e antes de dormir. Caso não seja possível, lave sua boca com água (com um bochecho rápido) após tais refeições para retirar o excesso de alimentos.

Use o fio dental

Embora o uso da escova de dentes ajude a remover grande parte das bactérias e dos resíduos de alimentos que ficam em nossa boca após as refeições, ela não consegue atingir uma região importante: o espaço entre os dentes. Essa área é responsável por grande parte da proliferação bacteriana e não pode ser deixada de lado.

Por isso, utilizar o fio dental é indispensável para remover aquelas partículas de comida de difícil acesso, complementando o trabalho feito pela escovação. Para usá-lo de forma correta e sem erros, siga os passos a seguir:

  1. corte ao menos 30 cm de fio dental (o tamanho pode variar de acordo com a sua preferência pessoal) e enrole as extremidades em seus dedos indicadores;
  2. insira o fio dental com cuidado nos espaços entre os dentes e siga a sua linha natural, até a gengiva;
  3. ao passar para o próximo dente, utilize uma parte limpa do fio dental;
  4. repita esse passo em todos os dentes, inclusive naqueles ao fundo da boca.

Lembre-se de que esse processo precisa ser feito com cuidado para não machucar as gengivas e que o fio dental (ou fita dental se preferir) deve ser utilizado sempre que possível, mas recomenda-se o seu uso ao menos uma vez ao dia.

Limpe a língua adequadamente

Você já parou para pensar na razão pela qual a escovação lingual é importante? Muitos de nós não aprendem a seguir esse passo durante a nossa infância e, por isso, ele é visto com certa estranheza por boa parte das pessoas.

O que acontece é que a língua é a residência de diversas bactérias nocivas que habitam nossa boca, contribuindo para a criação da placa bacteriana e de odores desagradáveis, conhecidos como mau hálito. Para removê-las, é necessário escovar a língua todos os dias.

A escovação da língua pode ser feita com uma escova de dentes comum, com o fio dental ou com o uso de ferramentas específicas para esses fins, conhecidas como limpadores linguais. Confira como fazer uma boa limpeza:

  • caso esteja utilizando uma escova de dentes, com um pouco de creme dental, limpe a língua com movimentos circulares suaves;
  • já quando o meio utilizado for o limpador lingual, basta posicioná-lo o mais fundo que você conseguir e puxar para a frente.

Não importa qual seja a ferramenta escolhida, o processo deve ser sempre feito com cuidado para evitar lesões. Sempre termine com a lavagem da boca com água ou enxaguante bucal, e repita a limpeza todos os dias, pelo menos uma vez.

Entenda a utilidade dos enxaguantes bucais

O uso de enxaguantes bucais é alvo de muitas polêmicas e divide boa parte dos profissionais da área odontológica. Embora eles não sejam particularmente necessários ou indispensáveis, sua utilização pode ser benéfica quando feita de forma correta.

O primeiro passo é ter em mente que seu uso não substitui, de forma alguma, a escovação completa da boca. Ele pode ser utilizado como tratamento complementar ou em momentos em que não é possível fazer a limpeza correta (em um restaurante ou durante o expediente, por exemplo).

No entanto, quando utilizado de forma complementar, eles são bastante eficientes para atingir áreas diferentes da boca (como as bochechas, por exemplo), ajudando a eliminar bactérias e a manter o hálito sempre fresco e saudável.

A escolha do produto ideal deve ser feita em conjunto com um dentista de confiança, que indicará a melhor composição para cada caso. Além disso, o profissional determinará se você deve ou não utilizá-lo, já que seu uso não é recomendado para idosos com dificuldade motora ou crianças muito pequenas, por exemplo.

Evite ingerir açúcar em excesso

Um dos grandes modos de cuidar da saúde bucal é prestar atenção naquilo que consumimos diariamente em nossa alimentação. Afinal de contas, tudo que comemos passa pela boca e é mastigado com o auxílio dos dentes e da língua, não é mesmo?

O açúcar é uma das principais causas de problemas dentários. Além disso, engana-se quem acha que apenas crianças sofrem com esse mal, já que adultos também apresentam doenças como a cárie.

Por conta disso, minimize a ingestão de açúcar como modo de prevenir futuros problemas bucais. Fique sempre atento à composição dos produtos que você consome e fuja daqueles em que esse ingrediente estiver listado entre os primeiros itens — nas embalagens, os ingredientes de um produto são listados na ordem do que está em maior quantidade para o menor.

Tenha uma alimentação balanceada

Além de evitar doces industrializados e excessivamente açucarados, contar com uma alimentação balanceada também auxilia na prevenção de doenças bucais e nos ajuda a manter a boca sempre saudável.

A razão para isso é que para ter dentes fortes e contar com um sistema imunológico preparado, precisamos ingerir uma variedade de nutrientes por meio da comida. Os principais são: cálcio, vitamina B, cobre, zinco, iodo, ferro e potássio. Todas essas vitaminas e minerais são cruciais para a saúde dos dentes.

Essas substâncias são facilmente conseguidas por meio de pratos coloridos e variados, com frutas (especialmente a maçã, alimento adstringente que auxilia na limpeza dentária), legumes e cereais diversos. Em casos de carência, é possível suplementar boa parte delas com a prescrição de um médico.

Além disso, a vitamina D é essencial para a absorção adequada do cálcio em nosso organismo. Você pode obtê-la ao passar 15 minutos todos os dias em contato direto com a luz solar. A ingestão de água também ajuda no equilíbrio do organismo e tem papel fundamental na saúde bucal.

Como lidar com a saúde bucal em diferentes fases da vida?

Não é tão difícil manter bons hábitos de higiene e alimentação para garantir a saúde bucal, não é mesmo? Ao seguir esses passos, você dificilmente lidará com problemas relacionados à sua boca.

No entanto, é necessário salientar que diferentes fases da vida podem demandar, além dos passos citados no tópico anterior, cuidados específicos com a boca. Quer saber quais são? Vamos lá!

Bebê (0 a 2 anos)

Como vimos até agora em nossa conversa, os cuidados com a boca envolvem muitas estruturas que vão além dos dentes. Por isso, os cuidados com a saúde bucal do bebê devem ser iniciados muito antes do surgimento dos primeiros dentinhos.

A higienização das gengivas e da língua dos pequenos são essenciais para evitar problemas futuros. Ela pode ser feita com uma gaze umedecida, que evitará lesões nessa área tão delicada e sensível.

Com a erupção dos dentes de leite, que ocorre mais ou menos em torno dos 6 meses de vida, o uso de mordedores pode aliviar o desconforto. A partir daí, é feita a transição para escovas específicas para essa faixa etária, que são extremamente macias.

Uma consulta com um dentista é recomendada durante essa fase para garantir que os dentes estão nascendo da forma adequada e averiguar possíveis problemas causados pelo uso de chupetas, por exemplo. Além disso, o profissional passará as devidas informações aos pais sobre os próximos passos nos cuidados bucais da criança.

Criança (2 a 9 anos)

Um erro bastante comum é acreditar que não é necessário cuidar dos dentes de leite, já que eles eventualmente cairão. No entanto, essas estruturas são fundamentais para a formação da criança, auxiliando na mastigação e alimentação nos primeiros anos de vida. Eles também “guardam o espaço” para a eclosão futura dos dentes permanentes.

Após o surgimento dos dentinhos, é necessário fazer escovações ao menos três vezes ao dia. A alimentação também tem um importante papel durante essa idade e, por isso, deve-se evitar alimentos industrializados ou extremamente açucarados para proteger a saúde de todo o organismo da criança.

Além disso, os cuidados bucais durante essa idade formarão hábitos essenciais para garantir uma boca saudável no futuro. Portanto, incentive seu filho ao hábito da escovação, para que ele seja um adulto com dentes e boca saudáveis.

Durante essa fase da vida, também é necessário tomar um cuidado extra com quedas e possíveis lesões. Embora elas sejam inevitáveis, vale a pena minimizar os riscos. Consultas periódicas ao dentista também são essenciais para avaliar a necessidade do uso de aparelhos ortodônticos.

Adolescente (10 a 19 anos)

A adolescência é uma fase repleta de descobertas e marcada pela importância da aparência pessoal. Para os adolescentes, a estética e vaidade são muito importantes, e uma boa autoestima se inicia por um belo sorriso.

Para evitar possíveis dificuldades emocionais e de saúde, continue a incentivar o jovem a cuidar diariamente da sua saúde bucal, seguindo os passos primordiais: escovação, uso do fio dental e bons hábitos alimentares. Dessa forma, ele não sofrerá com problemas como mau hálito e cáries, que podem afetá-lo em diversos aspectos – até mesmo no desempenho escolar!

Para isso, é fundamental dar um bom exemplo, mostrando quais são os cuidados de higiene e se alimentando adequadamente. Lembre-se de que você é o responsável pela alimentação do seu filho. Além disso, mantenha-o informado sobre os perigos do cigarro, por exemplo, não só para a saúde bucal como para todo o organismo.

Durante essa fase da vida, ocorre a erupção dos terceiros molares, conhecidos também como sisos. Essa pode ser uma experiência bastante dolorosa e complicada, que deve ser acompanhada de perto por um dentista de confiança a fim de avaliar a necessidade da extração desses dentes.

Adulto (20 a 59 anos)

A fase adulta é marcada, assim como a adolescência, pela importância da vaidade e da autoestima, em paralelo com a importância de manter a funcionalidade dos dentes. E aqui, possíveis problemas ultrapassam o campo pessoal e se tornam relevantes também no campo profissional.

Entrevistas de emprego, oportunidades e vagas que lidam diretamente com o público exigem pessoas com boa aparência e que demonstrem um bom cuidado pessoal. Por isso também, os cuidados com a boca são importantíssimos.

A dica é sempre manter uma boa escovação diária, seguindo todos os passos mais importantes, e investir em um cuidado completo com a saúde. Além disso, consultas semestrais com o dentista são indispensáveis para diagnosticar possíveis problemas precocemente e tratá-los o quanto antes.

Gestante

A gravidez é uma das fases mais marcantes na vida de toda a família e traz transformações únicas, físicas e emocionais, para a mulher. Apesar de todo o trabalho que está por vir, a saúde bucal não deve ser deixada de lado durante esse período.

Uma das principais razões para isso é que há evidências de uma ligação entre a ocorrência de partos prematuros com as doenças bucais, que podem se tornar sistêmicas quando não tratadas adequadamente. Além disso, as gestantes passam por alterações hormonais que favorecem o sangramento gengival e o surgimento da gengivite e doença periodontal.

Outro fator de risco inclui os enjoos matinais (muito comuns durante o primeiro trimestre da gestação), que também contribuem com a erosão dentária por conta dos ácidos estomacais que passam constantemente pelos dentes, e problemas com a secura excessiva da boca.

Por conta disso, as consultas regulares ao dentista são extremamente importantes durante essa etapa, além dos cuidados regulares com a escovação (com o uso de escovas de cerdas bem macias) e o uso de fio dental.

Idoso (acima de 60 anos)

Chegar à terceira idade é um motivo a mais para cuidar da saúde bucal. As pessoas idosas têm o direito de sorrir abertamente e se sentirem confiantes com os seus sorrisos!

Hoje em dia, a odontologia avançou largamente e possibilitou o desenvolvimento de métodos para restaurar ou substituir dentes que já caíram ou quebraram com o tempo. Além disso, o cuidado com os dentes permanentes continua, e a escovação diária permanece essencial para evitar problemas.

Os idosos que utilizam próteses ou dentaduras também não devem se descuidar e precisam tratar adequadamente dos seus “novos dentes”. Por isso, é fundamental conversar com o dentista para tirar todas as dúvidas e garantir uma terceira idade livre de problemas e repleta da merecida tranquilidade.

Quais são as principais doenças bucais?

Agora que você já sabe como cuidar da sua boca, que tal conhecer algumas das principais doenças bucais? Confira:

Cárie

É a deterioração dos dentes causada pelo acúmulo de alimentos e proliferação bacteriana em sua superfície. As bactérias vão, pouco a pouco, corroendo o dente, podendo até causar a sua perda total. Seu principal sintoma é a dor, mas o problema pode ser assintomático por muito tempo.

Gengivite

É a inflamação das gengivas, causada pelo acúmulo de placa bacteriana nos dentes. O sangramento durante a escovação, a vermelhidão da área e o inchaço são os sintomas mais comuns do problema.

Halitose

O mau hálito é um problema sério, capaz de causar muitos inconvenientes na vida pessoal e profissional do paciente. Ele pode ter diversas causas, incluindo a presença de cáries ou transtornos estomacais. Para identificar o que está causando esse sintoma, a consulta com um dentista é essencial.

Periodontite

Um dos problemas mais sérios da clínica odontológica, a periodontite é considerada como um agravamento da gengivite. Essa infecção pode atingir áreas como os ossos de sustentação dos dentes e outros órgãos distantes.

Qual é a importância da prevenção para a saúde bucal?

Ao longo da nossa conversa, mencionamos os principais cuidados bucais e falamos sobre algumas das doenças mais comuns. Seguir os passos de cuidado e conhecer os problemas que normalmente atingem a boca é o primeiro passo para a prevenção de tais enfermidades.

A odontologia preventiva vem ganhando força no Brasil e consiste na criação do hábito de ir frequentemente às consultas com o dentista.

Até pouco tempo, as pessoas só procuravam um dentista quando sentiam dores ou perdiam os dentes. Mas identificar os problemas quando eles ainda estão no começo é fundamental para tratamentos cada vez mais eficazes, além de trazer imenso benefício à qualidade de vida dos pacientes, que não precisarão lidar com as dores e desconfortos característicos dos problemas bucais.

Além disso, o dentista é o profissional responsável por passar informações importantes. Com ele, você aprenderá como prevenir a cárie, como identificar sintomas e saberá quais são os produtos adequados para o cuidado da sua boca.

Com que frequência ir ao dentista?

A recomendação padrão é que as consultas sejam feitas a cada seis meses. Esse período é uma referência adequada aos pacientes saudáveis, que buscam apenas a prevenção de problemas.

No caso de pessoas que estejam passando por tratamentos ou que se encontram nos grupos de risco, como os fumantes, essa frequência pode variar. É essencial conversar com seu dentista e ver o que é melhor para o seu caso.

Como escolher uma boa clínica odontológica?

O primeiro passo para escolher uma boa clínica é, sem dúvidas, identificar-se com os dentistas que atendem no local. O profissional deve ser aberto ao diálogo e tirar todas as suas dúvidas, deixando-o sempre confortável com a sua presença. Além disso, busque dentistas que sejam referência em suas áreas e tenham boas certificações.

Outros pontos que podem ser observados durante a escolha e que vão favorecer a prevenção e a realização e prosseguimento de tratamentos de qualidade são:

  • localização privilegiada;
  • boas instalações;
  • equipamentos modernos;
  • presença de instrumentos necessários para os procedimentos;
  • limpeza dos espaços e instrumentos;
  • uso de tecnologia de ponta em tratamentos;
  • horários de atendimento adequados à rotina do paciente;
  • um ambiente acolhedor e que desperte confiança.

Como pudemos ver, os cuidados com a saúde bucal são indispensáveis para manter a sua qualidade de vida, além de evitar problemas que podem atingir todo o organismo. Siga os conselhos oferecidos neste artigo e reduza as suas chances de desenvolver doenças bucais!

Gostou das dicas? Então, não perca mais nenhum conteúdo: curta a nossa página no Facebook e fique sempre por dentro das novidades. Até a próxima!

Clique e agende sua avaliação