A bichectomia vem se popularizando principalmente por conta das celebridades, que realizam o tratamento e exibem traços faciais mais sutis e, assim, um rosto mais harmônico.

A estética é uma das finalidades dessa cirurgia, pois a intervenção reduz o volume das bochechas e, assim, é muito procurada por pessoas que desejam afinar de forma discreta a região e destacar as maças do rosto. No entanto, pouca gente sabe que o procedimento tem indicações específicas e pode ser feito com objetivo terapêutico.

Quer entender melhor o que é a bichectomia, quais as indicações, riscos e os profissionais indicados para fazer a cirurgia? Confira este post e tire suas dúvidas!

O que é a bichectomia?

A bichectomia, também chamada de lipoplastia facial, é um procedimento cirúrgico estético/funcional, que visa à redução do volume das bochechas. A intervenção faz a retirada das bolas ou corpo de bichat, estrutura que confere o formato e volume das bochechas.

É uma cirurgia de pequeno porte, realizada por meio de uma pequena incisão na parte interna das bochechas, por dentro da boca, ou seja, não deixa cicatrizes aparentes. Ela pode ser feita com aplicação de anestesia local — quando realizada no consultório odontológico.

O intuito é deixar a face mais fina, simétrica e harmônica — a cirurgia aumenta a proeminência das maçãs do rosto e contorno da mandíbula, trazendo uma aparência mais triangular ao rosto.

Por que se tornou “moda”?

Por conta desses resultados, a bichectomia é vista hoje como tendência no país, confirmando o hábito dos brasileiros de procurar por cirurgias plásticas e procedimentos estéticos, que possam corrigir algum detalhe — principalmente para se sentirem mais interessantes e atraentes.

Dessa maneira, a intervenção surge como uma solução para esses incômodos, já que é indicada para quem espera um afinamento discreto da face, pois possibilita um aspecto mais suave, definido, jovial e magro, destacando as maçãs do rosto — o chamado “efeito blush”.

E quanto aos resultados funcionais?

Muito se fala sobre deixar os traços faciais mais sutis e transformar a aparência, mas é fundamental destacar a finalidade terapêutica do procedimento. Ao tirar total ou parcialmente as bolas de bichat, a cirurgia aumenta o corredor bucal e, assim, é indicada para quem tem esse tecido adiposo mais volumoso e acaba mordendo a mucosa com frequência.

Desse modo, o procedimento tem uma indicação funcional, pois diminui esse tipo de lesão nesses pacientes, proporcionando mais qualidade de vida.

Quais são as indicações para essa cirurgia?

Apesar de ser uma tendência, é importante destacar que a bichectomia é uma cirurgia e, por isso, não pode ser realizada indiscriminadamente com objetivos estéticos. Veja para quem a intervenção é indicada:

  • pacientes que mordem a bochecha podem aumentar o espaço mastigatório com o procedimento e, com isso, reduzir as lesões nas mucosas;
  • pacientes que possuem rosto redondo ou quadrado — com bochechas muito volumosas — que desejam projetar o terço médio da face;
  • pacientes que precisam de enxertos para cobrir defeitos na cavidade intraoral — procedimento da especialidade bucomaxilofacial.​

Quais são os cuidados pré e pós-operatório?

Antes de se submeter à cirurgia, é importante que o profissional (cirurgião plástico ou dentista) faça uma avaliação para saber se o procedimento é indicado para você. Em caso positivo, é preciso passar pelos seguintes cuidados pré-operatórios:

  • realização de hemograma para avaliar a saúde geral do paciente;
  • realização de anamnese para avaliar a condição sistêmica;
  • inspeção bucal;
  • análise dos aspectos faciais;
  • análise dos aspectos emocionais;
  • solicitação do exame de ressonância magnética para identificação da bola de bichat — em casos de difícil identificação clínica.

Após a realização da cirurgia, é fundamental que o paciente tome alguns cuidados para que a cicatrização ocorra sem contratempos e a recuperação seja mais rápida. São eles:

  • fazer uso da medicação prescrita — como analgésicos e antibióticos;
  • utilizar compressas de gelo para amenizar o edema da região;
  • repousar, no mínimo, por 48 horas;
  • adotar dieta líquida e pastosa durante os primeiros dias;
  • evitar banhos quentes;
  • evitar esforço físico intenso por uma semana;
  • fazer bochechos com clorexidina 0,12%.

Quais são os riscos dessa cirurgia?

Como todo procedimento cirúrgico, a bichectomia não está isenta de riscos. Por isso é tão importante escolher um profissional especializado para a realização dessa intervenção.

São situações raras, mas podem ocorrer infecções ou lesão do nervo do rosto, o que pode levar a uma paralisia facial temporária ou definitiva. Outro risco é a lesão nos dutos da glândula parótida, responsável pela produção da saliva.

É importante salientar também que o procedimento não pode ser revertido caso o paciente não goste do resultado. Por esse motivo, é importante passar por uma avaliação completa, incluindo as características faciais e também aspectos emocionais, para que o profissional tenha clareza das expectativas do paciente com a intervenção e possa tirar suas dúvidas.

Alguns especialistas alertam também para um problema a longo prazo — a pessoa pode notar o rosto mais “caído”, com um aspecto mais envelhecido, justamente por ter retirado o volume facial proporcionado pelas bolas de bichat.

Clique e agende sua avaliação

Como escolher um bom profissional?

No caso da questão funcional, para que você realize esse procedimento com tranquilidade, é fundamental encontrar um profissional cirurgião dentista altamente qualificado.

Procure por referências, pesquise a reputação do cirurgião na internet e converse com pacientes que já fizeram a cirurgia. Verifique também se a clínica está atualizada com tecnologias e equipamentos de ponta, para você se sinta mais confortável e tenha previsibilidade dos resultados do tratamento.

Assim, você passará por uma avaliação clínica criteriosa, terá segurança para fazer a cirurgia e será bem orientado quanto aos cuidados pré e pós-operatórios.

A bichectomia tem finalidade estética e/ou funcional, mas é uma cirurgia e, portanto, deve ser realizada somente para casos específicos. Por conta da sua popularização entre as celebridades, que buscam modificar a aparência ao afinar o rosto, a técnica virou tendência. Contudo, não pode ser feita sem critério e por profissionais despreparados, pois há risco de complicações.

Se você quer receber mais informações sobre o procedimento, entre em contato com os especialistas da equipe transdisciplinar da Sorrisus!